Eleições 2022 e o compromisso dos candidatos com a Educação

Compromisso para a eleição: não corte da educação! Eis o tema da 19ª Semana de Ação Mundial (SAM) que pretende reunir a sociedade para defender a Educação nos programas dos candidatos aos cargos públicos da eleição deste ano. O evento é organizado pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação. Os interessados em participar têm até o dia 15 de maio para se inscrever. A SAM 2022 será realizada de 20 a 27 de junho.

Para quem não sabe, a Semana de Ação Mundial (SAM) é uma iniciativa realizada simultaneamente em mais de 100 países, desde 2003, com o objetivo de informar e engajar a população em prol do direito à educação, de diversas maneiras. De 2003 a 2021, a Semana já mobilizou mais de 90 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo cerca de 2 milhões de pessoas apenas no Brasil.

A SAM acontece por meio de atividades autogestionadas, ou seja, cada um faz a sua, de acordo com seu contexto em praças, comunidades, escolas, nas ruas, em audiências públicas. Qualquer pessoa que deseje refletir e se engajar pelo direito à educação pode participar.

Faça aqui a sua inscrição

Neste sentido, ao se inscrever, o participante recebe materiais impressos gratuitamente pelos correios para desenvolver atividades sobre o tema. A ideia é que o assunto seja pauta de debates em creches, escolas, universidades, sindicatos. “Você pode organizar uma audiência pública, uma roda de conversa ou preparar uma atividade multidisciplinar com seus colegas de colégio”, avisa os organizadores.

Em conjunto com ações da Rede de Ativistas pela Educação do Fundo Malala no Brasil e das entidades do Comitê Técnico da SAM 2022, as atividades da SAM terão como um dos objetivos a entrega de uma Carta Compromisso para adesão de candidaturas das eleições 2022, se comprometendo com a educação como um direito para todas as pessoas.

Acesse o manual da SAM 2022

“Essa é uma oportunidade para debater a prioridade da educação na agenda política brasileira em um cenário de recuperação lenta da pandemia de covid-19. Para tal, será necessário mais e melhor financiamento, assim como um sistema educacional público, gratuito, acessível e inclusivo fortalecido”, afirma Andressa Pellanda, coordenadora-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação e integrante da Rede de Ativistas pela Educação do Fundo Malala no Brasil.

Além de apoiar a SAM 2022 e construir a Carta Compromisso, a Rede de Ativistas pela Educação do Fundo Malala no Brasil desenvolve um Manifesto das Meninas, por uma educação antirracista e não sexista. Esse documento, que será construído por um comitê de meninas dos projetos da Rede, também será usado como uma ferramenta de incidência política das meninas nas Eleições de outubro.

O documento reúne pontos centrais para a defesa de uma educação pública de qualidade para apoiar os participantes da SAM na realização das atividades deste ano e apresenta, entre outros pontos, sugestões sobre como as atividades podem ser organizadas e sobre o que se debater neste momento importante para a educação brasileira.

Categorias

Arquivos

Tags

Você pode gostar