Enquanto o Papa Francisco não chega…

Passeando com Cristo é a nova história do menino Artur Melo. Leia.

Por Artur Melo, 10 anos
Aluno do 5º ano do Ensino Fundamental, da Escola Sá Pereira

Um dia, eu estava andando pela rua com o meu amigão, o… Cristo Redentor! Ops! Nem me perguntem como isso aconteceu, que o Cristo é nosso amigo e que anda sempre com a gente, protegendo, todo mundo sabe, mas como foi que aquela estátua ganhou vida ninguém entendeu, não. Deve ter sido mesmo um milagre. Bem, eu estava lá, caminhando numa boa, enquanto ele, coitado, ia quase caindo, tropeçando, do meu lado, também tinha ficado tanto tempo parado, lá em cima daquele morro, vendo tudo de tão longe. Caminhar, se equilibrando naquele tamanhão, não era para qualquer um, não.

Fomos andando… até que perguntei:
– Cristo, onde você quer ir primeiro, o que quer conhecer de perto?
– Ah, eu quero ir à praia.
– Boa escolha, vamos logo!

Lá chegando, Cristo adorou pisar na areia, que sensação… Ele viu uns caras jogando vôlei e quis jogar também. Depois de um tempo, Cristo teve que parar de jogar, porque todos os jogadores desistiram. Cristo ganhava sempre por causa de sua altura, que bloqueio! O outro time, por mais que tentasse, nunca conseguia fazer a bola chegar do outro lado.

Então, fomos surfar. Eu tive que ficar sentado no ombro dele, até que chegasse a uma parte da água que era muito profunda. Foi demais! Eu me divertia na água e quando o Cristo caia da prancha eu tinha que escalar novamente até chegar ao seu ombro. Cristo quis ir um pouco mais à frente, a correnteza estava muito forte e levou a gente embora. Então, estávamos em oceano aberto e já vinha um tubarão branco que, certamente, ia me devorar, quando acordei do meu incrível sonho. Mas, depois, fiquei pensando numa coisa curiosa, por que quando o tubarão veio eu não senti medo, nem me apavorei. No fundo, no fundo, sabia que estava em boa companhia e que nada de mal me aconteceria.

Categorias

Arquivos

Tags

Você pode gostar