Pesquisar
Close this search box.

conheça o programa

Sentimento do mundo

Confira o artigo.

Por Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay
Advogado criminal


É muito inquietante ver o que virou o Brasil depois de quatro anos de um governo de ultradireita. O ódio foi inoculado nas pessoas. A estratégia de divisão da sociedade, infelizmente, funcionou. Hoje, somos um país no qual a milícia é respeitada, os clubes de tiro ocuparam o espaço das bibliotecas e a arma substituiu o livro no imaginário popular. Um país de Damares, de Bolsonaros e de Kicis. Um lugar triste e profundamente brega. Não é mais uma discussão sobre política partidária ou ideologia, mas sim valores que definem a vida e o caráter. É sobre sentimento do mundo. Sobre que país queremos para nossos filhos e netos.

E a divisão, claro, ocupa os dois polos. Eu tenho, e boa parte dos democratas também, solene asco e certo desprezo por essa gente inculta e banal. A impressão que pode ser recortada do estranho mundo bolsonarista é a de que seres escatológicos saíram do esgoto e estão gostando de tomar sol à luz do dia. É uma ignorância presunçosa. Eles têm orgulho dessa estultice como marca. 

Na política, de maneira geral, é normal que as diferenças sejam aprofundadas nos momentos de eleições e nos debates partidários. Quem viveu e cresceu em Minas Gerais sabe o calor e o valor de um bom embate entre UDN e PSD, mas nada que consiga produzir ódios permanentes e fossos intransponíveis. Era comum que, após as acomodações naturais de um pleito eleitoral, os grupos se ajustassem como que prevendo a necessidade de um relacionamento maduro para uma convivência democrática. 

A ultradireita bolsonarista mudou completamente a relação entre as pessoas, os grupos e a política. Com uma estratégia toda calcada na mentira e na criação, descarada, de fatos falsos para desestabilizar as relações institucionais, o país foi fragmentado de maneira, talvez, insuperável e irrecuperável. A discussão deixou de ser entre as diferenças para a economia, para a educação e para a saúde, as quais, felizmente, existiam entre Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas e José Serra e Lula, Marta Suplicy e Fernando Haddad. Com a chegada da ultradireita ao poder e à cena política, o ódio passou a ser o centro da análise e deixou de existir qualquer limite ético. Foi a concretização e a vitória da barbárie sobre a civilização.

A divisão, a dúvida e a cizânia se instalaram no seio das famílias e da sociedade brasileira. Passou a ser quase impossível, salvo necessidades específicas, as pessoas se relacionarem com a civilidade necessária. Reconheço a extrema dificuldade, repulsa até, de conviver pessoal e profissionalmente com os bolsonaristas- raiz. Foi quebrado o elo de confiança que possibilita a vida em sociedade. Há um certo código de postura, não escrito, que sustenta uma teia invisível que faz o respeito às diferenças ser o natural na existência de uma relação pública, e porque não, privada, na sociedade como um todo.

Antigamente, existia uma lenda, vulgar e tola, difundida por uma direita rasa e infantil de que “os comunistas comiam criancinhas” . Nada que impressionasse de fato. Mas o bolsonarismo usou como estratégia para chegar ao poder, e se manter lá, uma estrutura de difusão de mentiras e de fatos sem nenhuma base na realidade que jogou as relações em um espaço que parece não ter volta.

Sempre defendi que é impossível debater e conviver com quem não tem nenhum escrúpulo, nenhum critério ético e nenhum compromisso com a verdade. A partir dessa impossibilidade, foi ficando difícil contratar alguém para trabalhar, para poder dividir um apartamento ou uma viagem. Enfim, alguém para partilhar com respeito e, se possível, admiração a vida, no que ela existe de cotidiano e simples.

Na verdade, o bolsonarista por convicção virou um ser que acredita que a terra é plana, que a vacina faz mal para a saúde e pode transformá-lo num jacaré, que prega a volta da Ditadura e quer que o Exército intervenha e possa abolir o Estado democrático de direito. Passou a ser chique, para esses seres estranhos, exercitar o machismo, o racismo e o ódio aos pobres. Ou seja, a vida em comum foi inviabilizada. Não é mais debater sobre o que queremos para um mundo múltiplo e civilizado, mas se vamos conseguir nos relacionar com quem defende a tortura, exalta a morte de pessoas pobres e negras, cultua a violência e despreza a cultura.

Vai ser um longo caminho voltar a ter uma convivência democrática. Só existe uma hipótese de o país ter um encontro consigo mesmo: é necessário identificar e responsabilizar os que atentaram contra os direitos e garantias dos menos favorecidos e mesmo de uma elite lúcida, os que ousaram tentar derrubar as instituições democráticas, os que inocularam o ódio e a mentira como suportes de uma dominação fascista.

Num primeiro momento, a ultradireita dominou o Executivo e cooptou boa parte do Legislativo. Foi preciso o mais conservador e reacionário dos poderes reagir e sustentar a possibilidade democrática: o Judiciário. Patrimonialista e retrógrado, foi, e é, quem nos deu um rasgo de luz. É hora de aprofundar.

Nesta semana, uma operação policial na família Bolsonaro começou a nos dar esperança em tempos de uma possível volta a um país justo e solidário. Para quem conhece a lenda do moleiro alemão, eu posso parafrasear: “Ainda há juízes em Brasília”.

Lembrando-nos do mestre Fernando Pessoa, no poema Tabacaria:

“Não sou nada.

Nunca serei nada.

Não posso querer ser nada.

À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.”

Faça aqui o seu cadastro e receba nossa news

0 0 votes
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Categorias

Arquivos

Tags

Você pode gostar